quarta-feira, 20 de abril de 2011



Tudo na na vida é um fim 
mais o que sinto agora 
 é o sentido, a prova de erros incomuns 
eles se revezam na direção dos começos 

Tudo é motivo de versos
 baladas e balas na madrugada 
nem que seja desafinada 
mergulho na frio para que no infindo 
começar a acreditar no amor rasteiro 
colado cuidado moldado 

É, entra e sai amor de interior 
de tempo não medido 
poderia se chamar parafuso 

Enroscar ate se tornar 
se tornar ate enroscar

E tocar no fundo da calma... 


Nenhum comentário: